Kátia Gerlach

“Minha mão direita é capaz de amassar uma bola de papel e atirá-la violentamente na lixeira.” Kátia Gerlach é autora de “Jogos (Ben)ditos e Folias (Mal)ditas”, “Colisões BESTIAIS (Particula)res”, “Forasteiros” e “Forrageiras de Jade”.

Kátia Gerlach

Rafael Schultz

“Ler poesia, descobrir seus poetas e estilos favoritos, é importante, mesmo para quem se dedica à prosa. Um texto em prosa há de ter, ao menos, uma gota de poesia, ainda que no espírito. ” Hoje, com a palavra, o escritor e advogado Rafael Schultz Ribeiro.

Rafael Schultz

Vivi Maurey

“É preciso se conhecer. Se você não se conhece a fundo, como vai saber se escrever é o que você realmente quer fazer?” Hoje a palavra é da editora, escritora e finalista do concurso Brasil em Prosa, Viviane Maurey.

Vivi Maurey

Anderson Henrique

“O escritor deve conhecer os elementos e recursos de um texto e compreendê-los. Sugiro a releitura. Leia uma vez como leitor (se divertindo) e a segunda vez como escritor (pelo ofício)” Confira as valiosas dicas de Anderson Henrique, autor da coletânea de contos fantásticos “Anelisa Sangrava Flores”.

Anderson Henrique

Li Mendi

“Haverá dias no trabalho que você poderá ter de só viver de sua arte. Sonho em um dia viver apenas como escritora, mas ter o plano B me permitiu SER escritora todos os dias, sem ficar no vermelho no banco.” Hoje a palavra é de Li Mendi.

Li Mendi

Cirilo S. Lemos

“Tem um milhão de coisas acontecendo ao seu redor, o planeta não vai criar as condições necessárias para sua veia artística desabrochar e você escrever o grande romance brasileiro. Escreva. Só escreva.” Hoje quem compartilha suas experiências é Cirilo S. Lemos, autor de “E de Extermínio”.

Cirilo S. Lemos

Caio Rodrigues

“Poucos devem falar sobre isso, mas para se iniciar esta carreira é fundamental ter uma reserva financeira para investimentos.” Hoje quem compartilha suas experiências é o empresário e escritor Caio Rodrigues Alves, autor de “O Segredo das Runas”.

Caio Rodrigues

Danielle Ronald de Carvalho

“Ter o hábito de questionar a vida ou mesmo de ser o seu próprio objeto de observação leva a ideias e conclusões que podem enriquecer o texto.” Hoje quem compartilha suas experiências é a poetisa Danielle Ronald de Carvalho, bisneta do poeta modernista Ronald de Carvalho.

Danielle Ronald de Carvalho

Alex Andrade

“Escrever para mim não é terapia, mesmo que por muitas vezes exorcize os meus fantasmas e as minhas angustias. Escrevo porque sinto o que penso, não cálculo os sentimentos, as ideias surgem e as palavras fluem, há um encaixe dentro dessa maneira desordenada de lidar com o desconhecido.” Com a palavra, Alex Andrade.

Alex Andrade

Samuel Medina

“Cuidado ao alimentar expectativas quanto ao seu livro. É importante acreditar no seu trabalho, porém, a apreciação literária é algo tão subjetivo que não podemos garantir que qualquer livro seja um sucesso.” O escritor publicado Samuel Medina dá sua contribuição para a série 7 coisas que aprendi.

Samuel Medina

João Vereza

“Não pense no que vão pensar, não pense se vai conseguir publicar ou se o texto fará sucesso. Tire o ego da jogada e deixe a porteira aberta. Sua literatura vai amadurecer e crescer livre.” Vencedor do Prêmio SESC 2013 e finalista do Prêmio Jabuti 2014, o escritor João Vereza compartilha sua experiência. Confira!

João Vereza